Quase todos os casos de tentativa de suicídio, há como base alguma doença mental no indivíduo, mesmo que ele não saiba, e dentre elas a Depressão é um denominador comum. Exceto nos casos de Dependência Química.

Das pessoas que fazem uso abusivo de substâncias e que chegam a procurar ajuda médica por estados depressivos, não o fazem por esse motivo, e muitas vezes não ligam seu sofrimento a este fator fortemente associado. Se o médico não perguntar se ele faz uso de substâncias, muitas vezes o paciente nem comenta…

O abuso de álcool e drogas somam risco aos pacientes com outras patologias e pode ser fator facilitador da tomada de decisão de cometer o suicídio.

O álcool muitas vezes libera a agressividade da pessoa, e quando essa a possui como grande tendência, fica exposta a mais riscos, já que o nosso Superego, nosso sensor interno, é solúvel em álcool. Ela se utiliza da intoxicação aguda de álcool para desinibir e fica ainda mais alterada se houver medicação misturada.

Em mulheres, o abuso de álcool também está associado ao maior número de violência sexual.

Em se tratando de Adolescentes, e seus cérebros que só amadurecem por volta dos 25 anos, a situação complica também. A fase onde eles mais fazem uso de drogas é dos 18 aos 25, aliás é a época onde eles mais fazem de tudo!

Seu córtex pré-frontal em formação é praticamente sequestrado pelo uso de drogas e o jovem não conseguira decidir tudo o que precisa de forma correta e saudável.

Então, é bastante delicado quando ouvimos discursos diminuindo a importância dos efeitos do uso de drogas, principalmente na adolescência. Não é simples e tem consequências sim!

O sistema de recompensa fica liberando Dopamina o tempo todo e nada mais na vida consegue dar prazer ao dependente da mesma forma, apesar de parecer contraditório, isso tira todo o prazer dele e pode ser um caminho para o suicídio.

O álcool causa mais danos e sofrimento do que todas as demais drogas juntas. Sim, é assustador! 95% dos nossos jovens iniciam no álcool por volta de 14 anos e isso é aceito. São vítimas primárias de uma situação de ignorância social.

Como critério para diagnóstico, pode-se avaliar se o indivíduo está na Compulsão, quando ele sente vontade e não consegue se segurar, ou se já está com Perda de Controle, que é quando sai para tomar uma com os amigos e não consegue ficar nisso, quando vê já tomou 3, 4, 5…

A problemática de dependência química vai além do indivíduo , perpassando suas questões de saúde, alcançando suas demandas sociais, psicológicas e familiares.

No início da Dependência Química, ninguém vê prejuízos, eles vêm sem aviso, a doença começa sem dar sinais, o amortecedor químico se adapta no Sistema Nervoso Central, fígado e células. A Dependência Química é considerada um Transtorno Mental diagnosticado desde 1970.

Ajuda profissional é imprescindível para o Tratamento da Dependência Química

Fonte: Eu Sem fronteiras
Clique aqui e leia o artigo na íntegra